Piso salarial da enfermagem: em entrevista à Rádio Jornal, presidente do Sindhospe diz que faltaram estudos e que instituições vão ter dificuldades para pagar

Tempo estimado de leitura:1Minuto, 21segundos

Em entrevista ao programa “Passando a Limpo”, da Rádio Jornal Recife desta sexta-feira (05), o presidente do Sindhospe, Dr. George Trigueiro, comentou sobre o Piso Salarial da Enfermagem, projeto de lei sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro. A lei fixa pisos salariais para enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem e parteiras.

O presidente do Sindhospe parabenizou toda a categoria pela conquista e ressaltou que a lei valoriza merecidamente o trabalho da enfermagem e das demais especialidades em todo o país. Contudo, o presidente mostrou preocupação de como estados, municípios e hospitais filantrópicos e privados vão equilibrar as contas com o aumento da despesas. “Faltou um estudo mais profundo de onde virá o dinheiro”, disse George Trigueiro que avaliou o atual cenário em meio à falta de planejamento e da destinação orçamentária aos municípios e da inexistência de custeio da folha de pagamento de hospitais filantrópicos e particulares.

Para o presidente do Sindhospe, a situação será difícil, em especial, porque a tabela de serviços do SUS (Sistema Único de Saúde) não é reajustada há mais de uma década. De acordo com Dr. George, é justo que a categoria conquiste o piso salarial, contudo, é fundamental a destinação dos recursos para esse aumento. Ele falou ainda que o Sindhospe, junto com a Federação Nacional dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde (Fenaess), da qual é filiado, está avaliando a vigência e impactos da nova lei.

O áudio completo da entrevista você escuta abaixo:

Boletim

Calendário Cursos 2017

Próximos Eventos e Cursos

Não há eventos se aproximando neste momento.

Receba nossas atualizações

Parceiros

Facebook